Outubro Rosa – O que é o Outubro Rosa?

O que é o Outubro Rosa?

O Outubro Rosa é uma campanha mundial, realizada anualmente no mês de outubro, que busca a conscientização das mulheres a respeito da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama, aumentando as chances de cura e reduzindo a mortalidade. A campanha é simbolizada pelo laço cor-de-rosa.

O câncer de mama é o segundo câncer mais comum entre as mulheres do mundo inteiro, perdendo apenas para o câncer de pele não melanoma. De todos os novos casos de câncer a cada ano, cerca de 25% são câncer de mama.

Qual o objetivo do Outubro Rosa?

O Outubro Rosa têm como objetivo conscientizar as mulheres sobre importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama, que tem altas chances de cura quando descoberto cedo.

Mesmo assim, grande parte dos diagnósticos acabam sendo tardios.

Porque o laço é o símbolo da campanha Outubro Rosa?

Outubro Rosa

Outubro Rosa

Inicialmente, os laços começaram a ser usados nos Estados Unidos, na década de 70, por Lenney Laingen, uma mulher cujo marido era mantido como refém no Irã. Os laços de cor amarela foram pendurados por ela e seus amigos em algumas árvores, e o objetivo era que o marido voltasse para casa.

A ideia de laços conscientizadores se popularizou e, nos anos 90, era a vez do câncer de mama receber seu próprio laço. Durante a Corrida pela Cura de Nova York de 1991, foram distribuídos laços cor-de-rosa para todos os participantes.

Com a popularização desse símbolo, que foi distribuído nos Estados Unidos por diversas companhias, ele ficou conhecido como o símbolo mundial da luta contra o câncer de mama.

O câncer de mama e o Outubro Rosa

Sendo o 2º câncer que mais atinge as mulheres, o câncer de mama é uma neoplasia maligna que acomete o tecido mamário.

Ele aparece quando há uma mutação genética em alguma célula, que causa uma multiplicação desenfreada de células anormais. Tal multiplicação forma um tumor que pode crescer muito rapidamente, mas também pode ter um curso lento.

Alguns fatores podem influenciar as chances de desenvolver o câncer:

  • Ter tido a primeira menstruação antes dos 12 anos de idade;
  • Não ter tido filhos;
  • Ter engravidado pela primeira vez após os 30 anos;
  • Não ter amamentado;
  • Ter feito reposição hormonal,
  • Entre outros.
  • Há, ainda, fatores ambientais, genéticos e de estilo de vida.

Para que haja maiores chances de cura, o tumor deve ser identificado precocemente. Exames como a mamografia, que deve ser feita frequentemente a partir dos 50 anos, são imprescindíveis para a descoberta de um câncer que pode ser tratado rapidamente.

Outubro Rosa – Mamografia: a melhor prevenção

Na maioria das vezes, o câncer pode ser detectado em suas fases iniciais, antes mesmo de apresentar qualquer sintoma. Isso porque existem exames como a mamografia, que utiliza a radiação para conseguir criar imagens de dentro da mama, podendo revelar a presença de tumores ainda muito pequenos.

A maior parte das mulheres acabam descobrindo o câncer sozinhas, através do autoexame. Esse teste consiste em apalpar as mamas e as regiões próximas à procura de algum caroço.

No entanto, ele só serve quando o câncer já está mais avançado: enquanto a mamografia consegue detectar tumores menores que 1 centímetro (em estágio inicial), o caroço só pode ser sentido no autoexame quanto atinge 2 centímetros — diminuindo as chances de cura.

Por isso, o autoexame não dispensa a mamografia preventiva que, a partir dos 50 anos de idade, deve ser feita a cada 2 anos, até os 69 anos. Mulheres com mais fatores de risco podem necessitar a realização do exame com mais frequência.

Outubro Rosa – Passo a Passo: autoexame

Embora a mamografia seja o melhor método preventivo, o autoexame também acaba sendo importante, especialmente para quem não tem acesso à mamografia no momento.

O autoexame deve ser feito 1 vez ao mês, cerca de 3 a 5 dias após o primeiro dia de menstruação. Isso porque é nessa época do mês que a mama está menos inchada e dolorida, facilitando a detecção qualquer alteração. Já nas mulheres que não menstruam mais, o exame deve ser feito em uma data fixa todo mês.

NA FRENTE DO ESPELHO (sem blusa e sutiã):

  • Com os braços caídos e relaxados, observe os seios;
  • Levante os braços e observe-os novamente;
  • Coloque as mãos na cintura, fazendo pressão, e observe-os mais uma vez.

PALPAÇÃO (sem blusa e sutiã):

  • Levante o braço esquerdo, colocando a mão para trás da cabeça;
  • Com a mão direita, apalpe cuidadosamente a mama esquerda, fazendo movimentos circulares, convergentes para o mamilo, para cima e para baixo;
  • Pressione o mamilo suavemente;
  • Repita o processo na mama direita;

Sintomas “além do caroço”

Sentir um nódulo nas mamas é o que muitas acreditam ser o único sintoma do câncer de mama. Embora a doença seja assintomática nos primeiros estágios, enquanto o tamanho tumor não é o bastante pra que ele consiga ser apalpado, a medida em que o câncer se desenvolve, vão surgindo outros sintomas. São eles:

  • Alterações no formato ou no tamanho da mama;
  • Pele com aspecto anormal, semelhante a casca de laranja;
  • Vermelhidão, calor e dor, no caso de câncer de mama inflamatório;
  • Feridas e crostas na pele do mamilo;
  • Coceira frequente na mama e no mamilo;
  • Inversão do mamilo/mamilo afundado;
  • Liberação de secreções ou sangue pelo mamilo;
  • Inchaços e nódulos nas axilas.

Então atente-se! Caso você seja mulher e suspeita de um tumor, procure um médico o mais rápido possível! O câncer é uma doença que evolui com o tempo e cada segundo conta.

 

E é com consciência e atitude que, por mais de 24 anos, o Grupo MedNet está comprometido com a saúde e segurança dos trabalhadores brasileiros.

 

 

setembro amarelo mes de prevenção ao suicídio

Setembro Amarelo – mês de prevenção ao suicídio

Setembro Amarelo – Mês de prevenção ao suicídio

 

O que é o setembro amarelo?

Setembro amarelo é uma campanha do Centro de Valorização da Vida que busca trazer o diálogo sobre o suicídio para a sociedade. Desde 2015 o mês busca a conscientização e a prevenção do suicídio

No mundo todo, aproximadamente uma pessoa se mata a cada 40 segundos. Só no Brasil, o suicídio  é a quarta causa mais comum de morte de jovens. O assunto é um tabu. Não falamos dele. A mídia evita por medo de aumentar os números, as pessoas evitam por medo do assunto em si e com isso, acabamos cortando o diálogo necessário.

Falar sobre suicídio é importante. É uma questão de saúde pública e é extremamente necessário.

 

Por que o setembro amarelo é tão importante?

O Setembro Amarelo é uma campanha que busca trazer o diálogo e prevenir o suicídio.

90% dos suicídios poderia ser evitado com ajuda psicológica. A maioria deles é causado por doenças mentais que não são tratadas porque muita gente nem sabe que precisa de tratamento.

Aproximadamente 60% das pessoas que morrem por suicídio não buscam ajuda.

Já pensou se isso se aplicasse a outras doenças ?Imagine se 60% das pessoas com fraturas não fosse ao médico ou se 60% dos pacientes com apendicite não se tratasse e você vai perceber que é estranho que tanta gente não busque ajuda… Isso porque nós, como sociedade, não falamos do assunto, não informamos as pessoas.

• Cerca de 17%dos brasileiros já pensou seriamente em suicídio.
• 4,8%deles já elaboraram um plano para isso.

Qual o objetivo da campanha do setembro amarelo?

 

O objetivo é a conscientização desse problema que tira tantas vidas todos os anos. O setembro amarelo é um mês de diálogo. É um mês que busca criar conversas sobre o assunto, deixar as pessoas que sofrem com pensamentos suicidas saber em que elas não estão sozinhas e que a morte não é solução.

O Setembro Amarelo busca salvar vidas através da informação e da conversa sobre este assunto sério que ainda é um tabu.

 

Como surgiu o setembro amarelo?

A cor amarela é usada para representar o mês da prevenção do suicídio por causa de Dale Emme e Darlene Emme. O filho do casal se matou em 1994, o que deu início ao programa de prevenção de suicídio. A fita amarela foi escolhida como símbolo do programa que incentiva aqueles que têm pensamentos suicidas a buscar ajuda.

Em 2003 a OMS instituiu o dia 10 de setembro para ser o Dia Mundial da Prevenção do Suicídio.

 

Falar sobre o assunto é extremamente importante justamente para que possamos reduzir o número de pessoas vulneráveis. Para que possamos evitar suicídios, o diálogo é o primeiro passo. Conversar, trazer o assunto à tona e fazer com que essas pessoas saibam que não estão sozinhas e que existem meios de tratar estas doenças.

Centro de valorização da vida – CVV

O centro de valorização da vida é reconhecido como Utilidade Pública Federal desde a década de 70.

É uma organização sem fins lucrativos e filantrópica que busca dar apoio emocional e prevenção do suicídio para quem precisa. Desde 2015, é possível entrar em contato com eles através do telefone 188 de maneira gratuita.

 

Como procurar ajuda?

Basta ligar para o número 188 ou 141 (no caso dos estados do Maranhão, Paraná, Pará e Bahia). O atendimento é anônimo e realizado por voluntários que guardam sigilo. Também é possível acessar o chat online, enviar um e-mail ou ir a um dos postos de atendimento físico.
O Setembro Amarelo foi idealizado pelo CVV em 2015 e o mês escolhido é setembro pois é o mesmo mês do Dia Mundial para Prevenção do Suicídio, realizado no dia 10 de setembro.

 

Fatores de risco do suicídio:

  •  Tentativas anteriores;
  • Abuso de substâncias;
  • Ter entre 15 e 35 anos ou mais de 75 anos;
  • Histórico de suicídio familiar;
  • Falta de vínculos sociais e familiares;
  • Doenças terminais ou incapacitantes;
  • Desemprego;
  • Declínio social;
  • Divórcio;
  • Estresse continuado;
  • Extremos monetários;
  • Transtornos mentais…

COMO PEDIR AJUDA?

Se você está com pensamentos suicidas, é importante pedir ajuda. Fale com alguém próximo, conte para as pessoas o que passa pela sua cabeça. Ter alguém para conversar faz toda a diferença.

Se você não tem ninguém próximo com quem conversar, não hesite em ligar para o 141 ou 188 e conversar com um dos voluntários do Centro de Valorização da Vida. Eles estão lá para você e podem entender pelo que você está passando.

 

Como não reagir quando encontrar alguém assim…

 

Banalizar: Lembre-se de que a maneira como sentimos as coisas é diferente para todo mundo. Aquilo que a pessoa com pensamentos suicidas está sentindo é só dela e se está levando-a a sentir-se daquela maneira, é porque é sério.

Lembre-se também de que o suicídio é extremamente complexo e não pode ser atribuído exclusivamente a um evento, mas sim a vários fatores. Não banalize nenhum deles.

Condenar: Não julgue a pessoa. Você não sabe pelo que ela está passando e ela está pedindo ajuda, portanto busque não decepcioná-la. Dizer que o suicídio é covardia ou fraqueza não é nem verdade, nem ajuda.

Dar opinião: Pensamentos suicidas não são questão de opinião. Dizer que é “falta de religião” ou que a pessoa “quer chamar atenção” não ajuda, só piora.

Frases de incentivo: Dizer para a pessoa “pensar positivo” ou que “a vida é boa” não ajuda. A pessoa com pensamentos suicidas pode sentir-se ainda pior por não conseguir sentir-se melhor, achando que a culpa disso é dela, quando não é.

Brigar: Os pensamentos suicidas são sintomas e não uma escolha. Fazer a pessoa sentir-se culpada só piora a situação.

COMO AJUDAR?

Escute: Encontre lugar apropriado e particular e escute o que a pessoa tem para falar.

Incentive-a a buscar ajuda profissional Abrir-se com alguém próximo é um primeiro passo importante, mas a ajuda profissional faz grande diferença e é onde e se possível iniciar um tratamento.

Mantenha o contato Acompanhe a pessoa, mantenha o contato e fique por perto. Esteja lá para a pessoa e a apoie em sua doença e tratamento.

Em caso de crises Se você acha que a pessoa está em perigo de se machucar no momento, entre em contato com profissionais de emergência e busque alguém da família.

Sinais de alerta do suicídio!

Preocupação com a própria morte: Quando uma preocupação com a própria morte surge de maneira repentina, pode ser um sinal. Visões negativas, ideias expressas em escrita, por fala ou desenhos, podem significar que a pessoa está pensando em suicídio.

Comentários e intenções suicidas: “Vou desaparecer”; “Queria nunca mais acordar”; “Vou deixar vocês em paz”; “É inútil tentar mudar, só quero me matar”.

Isolamento: Pessoas com pensamentos suicidas tendem a se isolar, não atendendo telefonemas ou cancelando eventos e atividades, mesmo as que costumavam gostar de fazer.

Desfazer-se de objetos: Um sinal que costuma aparecer quando a pessoa está próxima de se suicidar é dar de presente diversos objetos pessoais e importantes.

Tranquilidade repentina: Se alguém com depressão severa de repente parece muito feliz, aqueles a seu redor podem pensar que a pessoa está melhorando quando na verdade este é um sinal alarmante.

Por isso, se você estiver pensando em tirar sua própria vida, saiba que você não está sozinho e que existem formas de superar o sofrimento.

E é com consciência e atitude que, por mais de 24 anos, o Grupo MedNet está comprometido com a saúde e segurança dos trabalhadores brasileiros.

 

 

 

 

Setembro Amarelo – mês de prevenção ao suicídio – Download Baixar

Clínica Medicina do Trabalho: Grupo MEDNET – PPRAPCMSO NR 7 – Programa de Controle Médico de Saúde OcupacionalCIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes – NR 9 – NR 7 – Exame Admissional

 

O que são hepatites virais

O que são hepatites virais

O que são hepatites virais

 

A final o que é Hepatite?

Hepatites são um grupo de doenças caracterizadas por uma inflamação das células do fígado. Elas podem ser causadas por agressões de agentes tóxicos, como o álcool, (e) medicamentos assim como por doenças autoimunes, metabólicas e virais.

No entanto, as mais comuns são as hepatites virais, ou seja, aquelas causadas por vírus.

As hepatites virais são separadas em letras do alfabeto (A, B, C, D e E), de acordo com o tipo de vírus que infecta o indivíduo

Quais os tipos de hepatite?

Hepatite Tipo A:

A hepatite A é uma doença contagiosa, causada pelo vírus A (VHA) e também conhecida como “hepatite infecciosa”. Sua transmissão é fecal-oral, por contato entre indivíduos ou por meio de água ou alimentos contaminados pelo vírus. Geralmente, não apresenta sintomas.

Hepatite Tipo B:

Causada pelo vírus B (HBV), a hepatite do tipo B é uma doença infecciosa também chamada de soro-homóloga. Como o VHB está presente no sangue, no esperma e no leite materno, a hepatite B é considerada uma doença sexualmente transmissível.

Hepatite Tipo C:

A hepatite C é causada pelo vírus C (HCV), já tendo sido chamada de “hepatite não A não B”. O vírus C, assim como o vírus causador da hepatite B, está presente no sangue.

Hepatite Tipo D:

A hepatite D, também chamada de Delta, é causada pelo vírus D (VHD). Mas esse vírus depende da presença do vírus do tipo B para infectar uma pessoa.

Hepatite Tipo E:

De ocorrência rara no Brasil e comum na Ásia e África, a hepatite do tipo E é uma doença infecciosa viral causada pelo vírus VHE. Sua transmissão é fecal-oral.

 

Quando devo me preocupar e fazer o exame da Hepatite?

  • Consumo de água e alimentos contaminados;
  • Sexo desprotegido;
  • Compartilhar agulhas para uso de drogas injetáveis;
  • Uso de material cirúrgico contaminado e não-descartável;
  • Compartilhar lâminas (cuidado em sessões de depilação ou tatuagem, manicure e barbearia);
  • Compartilhar escova de dentes;
  • Não usar material de proteção individual ao lidar com produtos biológicos;
  • Uso abusivo de álcool e medicamentos;
  • Não receber as vacinas contra as hepatites A e B se houver indicação.

Quais os sintomas da Hepatite?

Em grande parte dos casos, as hepatites virais são doenças silenciosas, o que reforça a necessidade de ir ao médico regularmente e fazer os exames de rotina que detectam os vários tipos de hepatites. Geralmente, quando os sintomas aparecem a doença já está em estágio mais avançado. E os mais comuns são:

. Febre;

. Fraqueza;

. Mal-estar;

. Dor abdominal;

. Enjoo/náuseas;

. Vômitos;

. Perda de apetite;

. Urina escura (cor de café);

. Icterícia (olhos e pele amarelados);

. Fezes esbranquiçadas.

Buscando ajuda Médica…

 

Toda pessoa com sintomas de hepatite como icterícia (pele e olhos amarelados), náusea e vômitos, dor abdominal, falta de apetite, urina com cor laranja escuro e fezes esbranquiçadas deve procurar um médico para obter o diagnóstico e definir o acompanhamento e tratamento necessários para evitar complicações.

 

Diagnóstico da Hepatite

O diagnóstico de hepatite é feito através da anamnese para identificar os sintomas apresentados e buscar fatores de risco para os diferentes tipos de hepatite a fim de definir os exames a serem solicitados visando estabelecer a causa da hepatite. No exame físico são buscados sinais de doença hepática como icterícia e aumento do fígado. Por fim, são solicitados os exames complementares cabíveis.

 

Tratamento da Hepatite

Não existe tratamento para a forma aguda da hepatite. Se necessário, apenas sintomático para náuseas e vômitos. O repouso é considerado importante no tratamento da hepatite pela própria condição do paciente.

Para a hepatite alcoólica, em certos casos mais graves, podem ser prescritos corticosteróides e muitas vezes se faz necessária a reposição de sais minerais e vitaminas.

No caso da hepatite A não existe tratamento específico. Para hepatite B crônica podem ser prescritos medicamentos antivirais. Já no caso da hepatite C são usados medicamentos antivirais tanto na fase aguda quanto na crônica.

No caso da hepatite medicamentosa o tratamento é de suporte, mas, se a causa for intoxicação por paracetamol, pode ser utilizada a acetilcisteína. E no caso da hepatite autoimune são utilizados corticosteróides e imunossupressores.

Prevenção da Hepatite

É mandatório o uso de equipamentos de proteção individual pelos profissionais que lidem com material biológico;

O não compartilhamento de alicates de unha, lâminas de barbear, escovas de dente, equipamentos para uso de drogas;

Deve-se evitar o uso abusivo de álcool e não se expor a outras substâncias que sejam tóxicas ao fígado, como determinados medicamentos;

E o mais importante, estar sempre em dia com a sua carteirinha de vacinação.

 

 

O que são hepatites virais – Download Baixar

<a href=”https://mednet-sp3.com.br/”>Clínica Medicina do Trabalho</a>: Grupo MEDNET – <a href=”https://mednet-sp3.com.br/ppra/”>PPRA</a> – <a href=”https://mednet-sp3.com.br/pcmso/”>PCMSO NR 7 – Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional</a> – <a href=”https://mednet-sp3.com.br/cipa/”>CIPA – Comissão Interna de Prevenção de Acidentes</a> – NR 9 – NR 7 – <a href=”https://mednet-sp3.com.br/exame-admissional/”>Exame Admissional

dia dos pais

Dia dos Pais

A mais bela e marcante herança que um pai pode deixar a seu filho é a construção do caráter e os passos a serem seguidos… Desejamos a todos os pais um Feliz Dia dos Pais!

dia dos pais

dia dos pais

riscos da riscos da automedicação

Riscos da Automedicação

Riscos da Automedicação

Quem nunca tomou um remédio sem prescrição após uma dor de cabeça ou febre? Ou pediu opinião a um amigo sobre qual medicamento ingerir em determinadas ocasiões?
A automedicação, muitas vezes vista como uma solução para o alívio imediato de alguns sintomas, pode trazer consequências mais graves do que se imagina!

 

Riscos da Automedicação:

• Atraso no diagnóstico correto de uma doença, comprometendo o prognóstico do tratamento;
• Reações anafiláticas, como alergias graves;
• Interferência no tratamento de uma doença já existente, diminuindo sua eficácia, devido à mistura com outros medicamentos.

 

OS MAIS PERIGOSOS:

• Antibiótico: tem grande importância em decorrência do crescimento da resistência bacteriana;
• Anti-inflamatório: o uso frequente pode causa reações adversas renais e estomacais, principalmente em pacientes idosos;
• Corticoide: por aliviar grande número de doenças, o uso indiscriminado pode alterar o metabolismo;
• Aspirina: pode ser antitérmico potente, analgésico e anti-inflamatório de ampla utilidade, pode causar toxicidade gástrica, renal e reações alérgicas. É de grande risco em uma região onde a dengue é prevalente.

ALERTA:

Evite recomendações de terceiros;
Não confunda o balconista da farmácia com o farmacêutico;
Ao adquirir medicamento de venda livre, procure orientações de um farmacêutico;
Nenhum medicamento deve ser consumido regularmente sem uma avaliação adequada;
Crianças tem maior risco de intoxicação, pois confundem comprimidos com balas e xaropes com sucos;
Ao consultar um médico, informe-o se já utiliza algum medicamento e se faz uso frequente de bebidas alcoólicas;
Todo sintoma deve ser avaliado mesmo após uma medicação sintomática.

Baixar o PDF do Informativo dos Riscos da Automedicação

 

PPRA PCMSO PCMAT Laudos PPP NTEP/FAP CIPA Ergonomia Ambulatórios Exames Médicos Treinamento CIPA

 

a-importancia-da-protecao-auditiva

A importância da proteção auditiva

A importância da proteção auditiva

Durante uma jornada de trabalho, o trabalhador é exposto a vários níveis de ruído. Em determinadas atividades profissionais, essa exposição é constante e excessiva, podendo provocar a perda irreversível e permanente da audição. No entanto, o uso de protetores auditivos, que devem ser fornecidos pela empresa, protege o trabalhador desse risco.

 

Porque se proteger?

  • Se o ruído obrigada você a gritar para falar com alguém a um metro de distância, é sinal de que é excessivo. Você tem que se proteger.
  • Não adianta dizer: trabalho aqui há  anos e estou ouvindo bem. A perda auditiva não é percebida porque é muito lenta.
  • O único jeito de avaliar a perda auditiva de forma correta é pelo exame audiométrico periódico, feito depois de 14h de afastamento de qualquer ruído.
  • Proteja-se antes de ter qualquer perda. Se você deixar a perda auditiva aumentar, ela vai somar com a perda que todos temos com a idade, e quando você aposentar, não vai ouvir nada bem. Para você não ser um isolado social no futuro, proteja-se hoje.

Use a proteção adequada, recomendada pelo serviço especializado da empresa, que pode calcular a redução do ruído necessária e o tipo mais indicado.

Aprenda a colocar corretamente o protetor. Deve haver treinamento para isso, especialmente se o protetor for de inserção (plug) e especialmente se for de espuma que se expande,

Cuidado com a interferência de outros EPIs. Se você utilizar um protetor tipo concha (abafador), a almofada deve encostar perfeitamente ao redor da orelha. Não laceie o arco para diminuir a
pressão. Ela é necessária para uma boa atenuação.

Mantenha os protetores em bom estado, exija manutenção das partes deterioradas e troque regularmente os protetores descartáveis. Converse sobre o ruído e sobre o seu protetor, com a fonoaudióloga ou o médico ao fazer seu exame audiométrico.

 

Baixar o PDF do Informativo de A importância da proteção auditiva

 

 

PPRA PCMSO PCMAT Laudos PPP NTEP/FAP CIPA Ergonomia Ambulatórios Exames Médicos Treinamento CIPA

 

Como evitar acidentes no trabalho em telhados

Como evitar acidentes no trabalho em telhados

Como evitar acidentes no trabalho em telhados

Atividades em altura exigem rigorosas medidas de proteção. No que se refere ao trabalho em telhados, o trabalhador deve seguir alguns procedimentos de segurança para não correr risco de acidente e queda.

  • Antes de iniciar o trabalho, o profissional deve planejar o trajeto que irá percorrer sobre o telhado.
  •  Também é preciso programar o desligamento de fornos e de outros equipamentos que estejam sob o telhado para evitar a emanação de gases.
  • Em dias de chuva, vento forte, ou quando a superfície estiver escorregadia, a atividade deve ser remarcada, pois o risco de acidentes é grande nestas situações.
  • Uma linha permanente de segurança, constituída de cabo de aço, trilho ou corda sintética, deve ser instalada no telhado.
  • O profissional deve portar um cinturão de segurança, tipo pára-quedista, acoplado ao cabo, corda ou trilho de aço. Isso possibilita uma fácil movimentação sobre toda área de trabalho.
  • Usar também os demais EPI’s obrigatórios para esta atividade: calçado com solado antiderrapante; luvas de raspa; capacete fixado na jugular; e óculos de proteção lateral.
  • A escada também deve ser equipada com linhas de segurança, o que permite o uso de trava-quedas ao longo dos degraus.
  • Nunca pise diretamente nas telhas e nem permita a concentração de pessoas num mesmo ponto do telhado.
  • Para locomoção nas telhas, é recomendado o uso de passarelas antiderrapantes de duralumínio.

 

Baixar o PDF do Informativo de Como evitar acidentes no trabalho em telhados

 

 

PPRA PCMSO PCMAT Laudos PPP NTEP/FAP CIPA Ergonomia Ambulatórios Exames Médicos Treinamento CIPA

Operação de soldagem uma atividade incendiária?

Operação de soldagem uma atividade incendiária?

Operação de soldagem uma atividade incendiária?

O trabalho de soldagem em ooficina pode ser bem controlado, mas quando a solda é feita na área industrial ou em almoxarifados, precisa ser considerada uma operação de alto risco, capaz de produzir incêndios destruidores. Para evitar que ela se torne uma fonte de incêndio ou explosão, é preciso seguir algumas recomendações:

1 – Sempre que possível, realize a soldagem na oficina, que é um ambiente controlado.

2 – Alternativamente, desloque o trabalho para uma área livre externa próxima

3 – Se for mesmo necessário fazer a solda no local, afaste todo material combustível em um raio de 10 metros. Caso não seja possível cubra-os com mantas in combustíveis. Use anteparos para conter a projeção das partículas incandescentes.

4 – Feche passagens entre pisos e ambientes, pois as partículas volantes podem atingir os demais locais, iniciando incêndios.

5 – Pode ser necessário ter um observador de fogo para inspecionar todos os ambientes(local de soldagem, piso abaixo e salas ao lado) até 30 minutos após a finalização do serviço.

6 – Faça com que o serviço seja acompanhado por um integrante de brigada de incêndio, tendo extintores adequados à mão.

7 – Use uma permissão de trabalho especial para a operação de soldagem. A permissão deve ser autorizada por pelo menos 03 pessoas: O responsável pela área onde ocorre a tarefa; pela segurança; e pelo executor da tarefa (manutenção.

8 – A permissão vale apenas para o dia e turno que foi emitida. deve conter checklist completo e as assinaturas dos responsáveis antes e depois da operação, se for requerido um observador de fogo.

Baixar o PDF do Informativo de Operação de soldagem uma atividade incendiária

 

 

PPRA PCMSO PCMAT Laudos PPP NTEP/FAP CIPA Ergonomia Ambulatórios Exames Médicos Treinamento CIPA

segurança com panelas de pressão

SEGURANÇA COM PANELAS DE PRESSÃO

SEGURANÇA COM PANELAS DE PRESSÃO

Além de ser utilizada no cotidiano, a panela de pressão é item indispensável nas cozinhas industriais. Embora seu modo de uso pareça simples, há alguns cuidados a serem tomados para que nenhum acidente aconteça.

Faça uma inspeção prévia:

  • Vedação: não deve estar ressecada, com trincas ou esfoladuras. Verifique se o assento onde a vedação se aloja está ausente de detritos;
  • Tampa e corpo: não devem estar deformados ou amassados, o que prejudicará o fechamento correto e a vedação do vapor;
  • Cabo e suportes de pega: devem estar inteiros e bem fixados;
  • Válvula reguladora (por onde sai o vapor): sem amasso, limpa e correspondente à panela;
  • Válvula de segurança: verifique se não está bloqueada com detritos, o que fará com que ela não atue quando necessário, explodindo a panela;
  • Não encha demais a panela. Observe a marca de nível máximo permitido. Em geral, não mais de 2/3. Cuidado com alimentos que fazem espuma e “sobem”, entupindo a válvula reguladora. Nesses casos, use um nível menor que o normal, pelo menos a metade.
  • Use a quantidade suficiente de líquido e evite que o interior seque, com risco de dano à panela, que pode derreter, apagar o fogo, criando risco de explosão de gás. Fique atento à ausência de vapor na saída da válvula reguladora.
  • Procure não deixar o fogão desatendido quando está cozinhando. Vire os cabos das panelas para dentro do fogão. Use temporizadores para marcar tempos de cozimento.
  • Não use a panela de pressão como fritadeira. Ela não foi feita para suportar temperaturas muito mais altas que de água fervendo e vapor pressurizado.
  • Após formação de vapor, o fogo pode, ser reduzido. Isso evita que a água evapore rapidamente e o conteúdo queime.
  • Reduza a pressão corretamente antes de abrir a panela. A maneira mais recomendável é colocá-la sob água corrente, para esfriá-la. Outras opções são aguardar o esfriamento natural ou liberar a válvula reguladora, mas com cuidado para não se queimar.
  • Lave bem a panela usada. Remova a vedação, lave em separado. Higienize bem a panela, os berços da vedação, limpando com cuidado o sistema da válvula reguladora e o alojamento da válvula de segurança.

 

PPRA PCMSO PCMAT Laudos PPP NTEP/FAP CIPA Ergonomia Ambulatórios Exames Médicos Treinamento CIPA

cuidados-necessarios-para-nao-escorregar-tropecar-e-cair

Cuidados necessários para não escorregar, tropeçar e cair

Cuidados necessários para não escorregar, tropeçar e cair

As quedas no mesmo nível em que estamos são mais comuns do que se imagina.

Elas podem causar lesões e afastamentos do trabalho e, às vezes, fatalidades. No entanto, como qualquer outro acidente, esse também pode ser prevenido.

 

Importante Lembrar:

  • Escorregamos quando o sapato perde a tração ou o atrito com a superfície, manter esse atrito é importante!
  • Tropeçamos quando ficamos sem equilíbrio, ou seja, quando nosso pé ou a perna batem em algum obstáculo, manter o caminho sem obstáculo é importante!
  • Caímos quando a falta de equilíbrio é tanta que o corpo não se recupera antes de bater no chão. Tudo isso é física e a física vai nos auxiliar na prevenção.

 

O Que nos faz escorregar?

  1. Chão molhado ou sujo com matéria deslizante: água, óleo, graxa, detergente e lama;
  2. Chão seco com poeiras deslizantes: madeira, farinha e farelo;
  3. Chão muito limpo encerado ou com partes metálicas;
  4. Coberturas soltas: Tapetes, passadeiras, capachos ou placas de pisos;

O Que nos faz tropeçar?

  1. Fios, extensões, cabos, mangueiras espalhadas pelo chão;
  2. Obstáculos variados, gavetas abertas, guias, encosto de pneus em estacionamentos, travadores de portas abertas;
  3. Variação de nível: buracos, desníveis, ressaltos e rebaixos;
  4. Escadas com degraus deformados, quebrados ou desiguais;

O Que ajuda a piorar?

  1. Má iluminação;
  2. Má ordem e limpeza;
  3. Falta de sinalização;
  4. Falta de uso de corrimão;
  5. Sapatos inadequados, solados deslizantes/gastos;
  6. Idade: Dificuldade para andar, medicamentos, má visão e distração;

Faça sua parte:

  1. Siga os procedimentos;
  2. Use os sapatos corretos;
  3. Olhe onde põe o pé;
  4. Ande, não corra!
  5. Vá para onde estiver olhando, e olhe para onde estiver indo!

PPRA PCMSO PCMAT Laudos PPP NTEP/FAP CIPA Ergonomia Ambulatórios Exames Médicos Treinamento CIPA